Arcos Triunfais do Fórum Romano

Os arcos triunfais do Fórum Romano estão entre as estruturas da era imperial mais bem preservadas do complexo, atraindo automaticamente nossa atenção. Carregam uma bagagem histórica considerável, a materialização de batalhas e conquistas que mudaram a história.

Arco de Tito com destaque para seu intradorso.
Detalhe do intradorso do Arco de Tito, ornamentado com os tradicionais caixotões e rosetas, no centro uma referência a Tito. A chave do arco também é ricamente ornamentada em ambos os lados. E nos tímpanos vemos “vitórias” aladas. Observem os fustes originais e a introdução das partes restauradas, finalizando nos capitéis estilizados.

Exitem inúmeros arcos triunfais espalhados pela Europa, fruto das amplas extensões do Império e de encomendas posteriores, feitas  por líderes que aspiraram as mesmas glórias dos Cesares da Caputi Mundi.

Se você quiser compreender melhor a concepção arquitetônica do arco triunfal, veja nosso artigo: O Tema Arco do Triunfo. E para conhecer melhor o Fórum Romano, veja: Uma Visita ao Fórum Romano.

google-maps-icone-baixaAtualmente no Fórum Romano, resistem três deles, contando cada qual uma parte importante da história do Período Imperial. O Arco de Séptimo Servero, localizado na extremidade Noroeste do Fórum, próximo ao Museu Capitolino. Na sequência o Arco de Tito, na Via Sacra e finalmente, o Arco de Constantino, próximo ao Coliseu, na extremidade contrária ao de Séptimo Severo. Nosso link do Google Maps te ajuda a localizá-los.

Pelo menos mais três arcos existiram no Fórum, mas não resistiram ao tempo: Arco Ácio, Arco de Augusto e Arco de Tibério.

Vamos conhecer um pouco mais sobre todos eles e seguiremos em ordem cronológica, já que alguns dos projetos tem relação com o anterior.

Arco Ácio (Áccio): Dedicado a Augusto em 29 a.C. para celebrar sua vitória sobre Marco António na Batalha do Ácio (atual Grécia), em 31 a.C. Esta batalha foi determinante para Augusto (na época ainda Octaviano) conquistar definitivamente o Egito e estabelecer o Império a partir de 27 a.C. Para saber mais veja: O que é Estilo Augustiano?.

Arco de Augusto ou Arco Parto: Substituiu o Arco Ácio. Também dedicado a Augusto, em 19 a.C. pelo retorno dos estandartes romanos negociados com os Partos (Persas). Interessante é que este arco celebra a diplomacia e não a guerra. Acredita-se que tenha sido construído no local do anterior (Ácio) justamente para enfatizar as realizações de Augusto como Imperador, distanciando assim o passado recente de Guerra Civil que marcou o final da República e início do Império.

Este arco também não resistiu ao tempo, mas há a marcação de seu local, com alicerces identificados e alguns capiteis. Localiza-se próximo aos templos de Castor e Pólux, Cesar e Vesta.

Marcação atual do Arco de Augusto, Fórum Romano.
Marcação atual do Arco de Augusto, Fórum Romano. Foto: https://commons.wikimedia.org/

Arco de Tibério: Mais um arco que não resistiu a nossos dias, mas que devemos pontuar aqui. Dedicado em 16 d.C. ao imperador Tibério, também pelo retorno de um estandarte romano, desta vez em posse dos Germânicos. Hoje só restam os alicerces. Localiza-se entre o Templo de Saturno e a Basílica Júlia. Foi um arco de menores proporções, somente com um arco central, como o de Tito.

Arco de Tito: Dedicado ao Imperador Tito Flávio, foi construído em 81 d.C. em homenagem a conquista de Jerusalém em 67 d.C. passou por restaurações e encontra-se bem preservado. É uma estrutura que revela a personalidade da arquitetura flaviana. Falamos mais dele no artigo Arco de Tito.

E se você tiver curiosidade e quiser conhecer melhor a arquitetura dos Flávios veja: O Coliseu Romano.

Vista do Arco na Via Sacra, Fórum Romano. Lado da dedicatória a Tito.
Vista do Arco na Via Sacra, Fórum Romano. Lado da dedicatória a Tito.
Implantação com Foruns Imperiais. Uma questão interessante que se levanta sobre o s Foruns Imperiais refere-se à sua denominação como Forum já que estes espaços não apresentam edifícios significativos da vida pública romana. São muito mais espaços comemorativos, de homenagens e deificação.
Implantação com Fóruns Imperiais. Uma questão interessante que se levanta sobre os Fóruns Imperiais refere-se à sua denominação como Fórum já que estes espaços não apresentam edifícios significativos da vida pública romana. São muito mais espaços comemorativos, de homenagens e deificação.

Arco de Séptimo Severo: Dedicado em 203 d.C. ao Imperador Séptimo Severo e seus filhos Caracala e Geta pelas vitórias conta os Partos (Persas), re-estabelecendo seu controle na Mesopotâmia, em 195 d.C. Séptimo Severo governou entre 193 e 211 c.D. e fundou a Dinastia Severa, uma dinastia curta (193 a 217), composta por ele e seus filhos Caracala e Geta.

A arquitetura dos Severos se caracteriza por sua opulência e monumentalidade. Séptimo Severo assumiu o governo após vários anos de Guerra Civil. Roma encontrava-se fragilizada e sua onda construtiva deu novo ânimo à população. Seu arco nos diz muito sobre seu estilo, possui estrutura convencional, com arco principal e laterais, mas é uma edificação de grandes proporções: 25m de comprimento, 11,85m de largura e 25m de altura.

Suas colunas coríntias são destacadas da estrutura principal, uma inovação para a época, veja: Classificação das Colunas Quanto ao Posicionamento. A ornamentação interior do intradorso do arco principal é belíssima, com caixotões trabalhados e flores de acanto centrais. Todo o projeto, recebeu um intenso trabalho de ornamentação, infelizmente agora já bem desgastado.

Vista Frontal do Arco de Septimo Severo.
Vista Frontal do Arco de Séptimo Severo.
Arco de Séptimo Severo no Fórum Romano.
Arco de Séptimo Severo e coluna de Phocas a sua frente. A direita, Igreja de Santa Martina e São Lucas. Fórum Romano.

Arco de Constantino: Construído em homenagem à vitória do Imperador na Batalha de Monte Mílvio (refere-se à batalha entre Constantino e Magêncio para determinar o controle da metade ocidental do Império Romano. A batalha foi travada sobre a Ponte Mílvia em Roma, daí o nome) em 312 d.C. e foi inaugurado oficialmente em 315 d.C. Este foi o último arco triunfal construído em Roma e marca a fase tardia do Império, lembrando que em 330, somente 15 anos depois, a capital inperial seria transferida para Constantinopla. Neste período a ornamentação sofreu em qualidade e houve muito reaproveitamento de material. Mesmo dentro deste contexto, o arco de Constantino é o maior de todos e faz referência aos arcos de Augusto e Tibério em seus painéis.

Arco de Constantino.
Arco de Constantino.

Arquitetonicamente, estes são de extrema importância e seguem o mesmo padrão construtivo. Demonstram o controle dos romanos na composição perfeita entre arco e ordens.

A ornamentação é outro ponto de grande valor histórico, pois ilustra a dedicatória com grande eloquência e expressão artística herdada dos gregos e adaptada à nova finalidade: chancelar e enfatizar o poder do Estado. Esta é uma característica muito importante da arquitetura romana, e os arcos triunfais por sua própria natureza, são ótimos exemplos para se entender claramente esta influência. Os arcos de Tito e Severo atestam a arquitetura significativa destas duas dinastias, ambas iniciadas depois de momentos difíceis, castigados por guerras internas. FIzeram uso de inovações arquitetônicas, tano estruturais quanto estéticas para ditar novos rumos a seus governos.

Arco de Cosntantino e o Coliseu. A proximidade destas estruturas, nos permite apreciar vistas como esta.
Arco de Constantino e o Coliseu. A proximidade destas estruturas, nos permite apreciar vistas como esta.

Não perca mais nenhum post!

*Seu e-mail está seguro. Não enviamos span, nem divulgamos nosso mailing de assinantes.